Que sou eu *Mauri Zeügo*

Meus caminhos intermináveis trouxeram-me até aqui, meus dias de alegria, tristeza, risos e cara feia. Sou tudo e nada. Feito um gato vadio que de telhado em telhado sempre encontra um cesto quente com um novelo de lã ou linha velha que nos remetem aos dias da infância. Tão saudoso à família sou eu. Nos últimos anos tenho tentado ser mais homem e menos animal, raciocinar sempre ao invés de seguir instintos que provocariam uma guerra. Sou humano enfim, tenho meus anseios e desejos e com esses, posso ser o que eu quiser. Cada pessoa tem seus defeitos e qualidades, porém, são os pequenos detalhes que nos tornam cada vez mais especiais e únicos. Sou Mauri Eurico Santos Zeügo e este é meu mundo. Seja Bem Vindo!

Mauri (14.01.1999)

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Aves Negras (14/09/2011)


"Seguem as aves negras num fluxo contínuo e sem fim. Navegam seus corpos pela linha tênue e incansável por entre a cristalidade das águas turvas e ao mesmo tempo brilhosas. Seguem elas, rumo ao antro que jamais termina, um campo único e retórico com as mesmas faces, pedras e ao sol escandante de um Domingo interminável e cansativo. E assim, fez-se o sentido da vida em mais um final de semana que foge da mesmice dos dias iguais, tão iguais"

Mauri Zeurgo

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

O Sistema e a Sociedade (Mauri Zeürgo)


O Sistema e a Sociedade (05 De Setembro de 2011)
O desenvolver do sistema "sociedade", necessita sim dos sistemas "vida" e
"consciência". Porém, a demanda cítrica que corrói os anais da sociedade
moderna ao longo dos anos, espelha sempre o âmbito social em todas as suas
ações. Se Türcke citara Niklas Luhmann, com os sistemas como sendo um padrão
para a Época, pode-se dizer que hoje ele está errado, pois as pessoas do
 “hoje em dia", são devotos aos mecanismos de comunicação, fazendo assim
gerar em pauta, situações diversas e divergentes, assim como seus
sentimentos. De que nos adianta existirem regras e normas para a sociedade,
vida e consciência, se muitas vezes, nem nós mesmos agimos da forma adequada
para os padrões?
Certa vez um grande filósofo e pensador citara a situação do ser humano como
crítica, baseando-se na dinâmica de seu corpo e na divisão do mesmo:

O corpo humano é dividido em três partes: Cabeça/Mente - Responsável pelas
lembranças, memórias e a parte racional do ser; Tórax/Abdome - Responsável
pelas sensações de medo, angústias, adrenalinas e pura felicidade; E as
partes dos territórios baixos, Coxas/Virilhas/Órgãos genitais, que por sua
vez, responsáveis pelas sensações de prazer, desejo e calor sexual, emanando
um louco desejo pelas delícias do mundo. De certo, assim como a sociedade
hoje, nosso corpo corresponde com aquilo que temos, aquilo que vemos e
sentimos. Fato consumado dizer que a vida depende mais da sociedade que a
sociedade dela. Acreditar num ponto de consciência como sendo verídica a
afirmação: "Sou ser de carne, corpo, alma, vida e sociedade"; é o mesmo que
dizer que não se vive pelos meios comuns da sociedade e vida (homem nasce,
cresce, fortalece, cresce profissionalmente e morre), mas sim pelos meios
comuns de cada pessoa que por si apenas, procuram crescer à custa dos
menos favorecidos e ou pisando em altos degraus sem saber onde está indo e
também correndo atrás e fazendo acontecer da melhor forma em que seu talento
se encaixe. Fazendo de cada sociedade diferente entre si, mas igual em todos
os quesitos citados acima.

 “O homem cresce para voltar à juventude e surge para nascer de novo.”


Mauri Zeürgo