Que sou eu *Mauri Zeügo*

Meus caminhos intermináveis trouxeram-me até aqui, meus dias de alegria, tristeza, risos e cara feia. Sou tudo e nada. Feito um gato vadio que de telhado em telhado sempre encontra um cesto quente com um novelo de lã ou linha velha que nos remetem aos dias da infância. Tão saudoso à família sou eu. Nos últimos anos tenho tentado ser mais homem e menos animal, raciocinar sempre ao invés de seguir instintos que provocariam uma guerra. Sou humano enfim, tenho meus anseios e desejos e com esses, posso ser o que eu quiser. Cada pessoa tem seus defeitos e qualidades, porém, são os pequenos detalhes que nos tornam cada vez mais especiais e únicos. Sou Mauri Eurico Santos Zeügo e este é meu mundo. Seja Bem Vindo!

Mauri (14.01.1999)

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Lena (Descanse Em Paz)

“A saudade de cá é a mesma de lá”
Em cada sorriso um motivo para viver intensamente na vida cheia de contratempos e empecilhos, mesmo que existam milhões de lágrimas. A realidade do mundo nos vem aos olhos em forma trágica e direta, mas por que sermos tão egoístas se a saudade de cá é a mesma de lá, pois já dizia o grande Chico “Não tema a morte, apenas aprenda a conviver com nossa segunda vida”.
Nosso pai levou mais uma filha, mas não uma filha qualquer – Era nossa Lena, nossa Leninha querida, a filha carinhosa, a irmã atenciosa e a amiga que amava, sonhava e simplesmente dançava conforme a música, por mais difícil que fosse ela atentamente fazia acontecer nos passos das dificuldades e ainda fazia-nos cantar por ela e por todos.
Em vida cresceu como pessoa, sorriu, chorou, amou, sonhou, simplesmente viveu e fez a todos viverem mais e darem valor a tudo, inclusive a vida. Ela que amava a todos de forma única e doce, seus pequenos olhos e sorriso inconfundível encantava até mesmo aqueles que a viram somente uma única vez, bastava ela sorrir para o momento se tornar inesquecível.
Para alguns sua bondade era quase um paradigma de inocência e maturidade, para que todos seguissem a fio um grande exemplo de mulher que lutou até o final de seus dias aqui nesse mundo.
A verdadeira mescla de candura e força dava vida ao grande orgulho de tê-la ao nosso lado, uma grande mulher, uma filha carinhosa e uma irmã generosa que aprontou-nos essa última peça. Arrancando-nos tudo, tirando-nos o chão, pois assim que o vento parou e o sol ficou a meio fio de sua luz intensa, sabíamos que não mais a veríamos e que nossos corações bateriam tão fortemente que seria impossível conter a lágrima, um choro de saudade da falta para a mãezinha querida, do calor dos irmãos que a amavam e da solidão em que deixaria os amigos.
A única resposta que nos tira a aflição que causa a tua falta é que não mais a veremos por aqui, mas sim a encontraremos num novo amanhecer e poderemos então sorrir juntos novamente e apreciar a bondade tua, assim como todos fazíamos ao estar perto de ti... Lena, Leninha, Irmãzinha querida, filha atenciosa e amiga eterna, espere por todos nós... Amamos-te muito.
“Descanse em paz pelos campos verdejantes que Deus preparou para receber aqueles que cumpriram suas missões aqui na Terra.”

De seus familiares, parentes e amigos... descanse em paz!

(Por Mauri Zeurgo)

Um comentário:

  1. Fabuloso, assim como Lena era. Muito obrigado Mauri Zeurgo por mais esse maravilhoso deleite que é esse texto.

    Kleber Silva Bueno - Barra Funda

    ResponderExcluir