Que sou eu *Mauri Zeügo*

Meus caminhos intermináveis trouxeram-me até aqui, meus dias de alegria, tristeza, risos e cara feia. Sou tudo e nada. Feito um gato vadio que de telhado em telhado sempre encontra um cesto quente com um novelo de lã ou linha velha que nos remetem aos dias da infância. Tão saudoso à família sou eu. Nos últimos anos tenho tentado ser mais homem e menos animal, raciocinar sempre ao invés de seguir instintos que provocariam uma guerra. Sou humano enfim, tenho meus anseios e desejos e com esses, posso ser o que eu quiser. Cada pessoa tem seus defeitos e qualidades, porém, são os pequenos detalhes que nos tornam cada vez mais especiais e únicos. Sou Mauri Eurico Santos Zeügo e este é meu mundo. Seja Bem Vindo!

Mauri (14.01.1999)

sábado, 19 de março de 2011

Lágrima Seca (14/03/2011)

 O sentimento que tortura a face imóvel, fez de tanto e tanto que causou a lágrima, como um pranto seco e ríspido. Pelas dores da tristeza e na perda de algo ou pelo sorriso da falsa alegria e até mesmo pelo amor que já não existe mais, jamais pertencerá ao que é nosso e não somente de um só como um todo. O sofrimento é real e mútuo. Daí, a carência da água pura e levemente salgada, feito suor fresco daquele que também merece o amor, traz a realidade inoportuna aos olhos.
Dever-se-a jamais negar a existência pelo fato consumado dos erros nossos e abater com intensidade maior o que existe em nós. E é real a situação inesperada de termos criado dentro do corpo que é só da gente, um alguém que nos mata todos os dias e nos faz lembrar daquilo que somos.
Nas noites, enquanto em nossos leitos, somos adornados do prazer estranho e hibrido do bem e do mal, e derrotados pelos fatos tamanhos e deixados lá no canto da sala ou quarto escuro, como divulgação da nossa derrota em um lençol esporrado dos erros tamanhos dos dias à fio. O único e puro momento é apenas aquele em que temos somente pra nós, um tempo-espaço para reorganizar nossas idéias e deixar de lado as futilidades da realidade suburbana e fria. Nem mesmo os astros celestes, com tamanha beleza e inspiração sólida, poderão apalpalpar nossos rostos e dizer: “ - Estou aqui por você.”. Pois a verdade do mundo calou-se somente aos incrédulos e esses somos nós – Homens, mulheres, meninos, mocinhos e bandidos, querendo a atenção pelo que fizemos de errado – Deixamos o coração falar mais alto e esquecemos da nossa última lágrima que cegou-nos com o passar dos  tempos. Já não basta tentar chorar, pois a “Nossa última lágrima” se foi com os dias de alegria e hoje o que temos marcado é apenas a lembrança de uma última lágrima Seca.

Mauri Zeügo

2 comentários:

  1. O Punk da conversa mais abaixo:

    Será que alguém ou alguma coisa poderá um dia nos dizer: "Estou aqui por você."?

    ResponderExcluir
  2. Não espere isso desse "menino maluquinho" ai, não. Ele some sempre. Ele te perguntou alguma vez se você crê em fantasmas?

    Essa pergunta é fatal e é a chave pra isso. Conte com isso, caro amigo. POr experiência própria.

    ResponderExcluir