Que sou eu *Mauri Zeügo*

Meus caminhos intermináveis trouxeram-me até aqui, meus dias de alegria, tristeza, risos e cara feia. Sou tudo e nada. Feito um gato vadio que de telhado em telhado sempre encontra um cesto quente com um novelo de lã ou linha velha que nos remetem aos dias da infância. Tão saudoso à família sou eu. Nos últimos anos tenho tentado ser mais homem e menos animal, raciocinar sempre ao invés de seguir instintos que provocariam uma guerra. Sou humano enfim, tenho meus anseios e desejos e com esses, posso ser o que eu quiser. Cada pessoa tem seus defeitos e qualidades, porém, são os pequenos detalhes que nos tornam cada vez mais especiais e únicos. Sou Mauri Eurico Santos Zeügo e este é meu mundo. Seja Bem Vindo!

Mauri (14.01.1999)

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Bloco de notas (14/04/10)

Quanto ao bloco de notas, apenas tentando preencher a lacuna vazia, deixada pela ansiedade alheia. O fato não é apenas pelos ocorridos nos dias últimos, mas sim pela necessidade de saber de outrem – O que faz, o que quer, o que pensa.
O ego dele é o junco podre, feito de crenças fantasiosas. Sempre trazem-nos à realidade – essa rivalidade imunda e sem sentido. Pensar, pensar e pensar...se isso mudasse em alguma coisa, estaríamos sempre no topo. “Dou-lhe 1 (um) centavo por cada pensamento teu.”

O que realmente importa não é a intenção ou o valor, mas sim, a intensidade e fé com que se emprega a idéia e toda palavra – Essa é a minha fé. Sei que o retorno retórico existe e a maquinação dos valores é única e nítida. Temos que nos apegar logo à massa do mundo,isso aqui é superficial e passageiro.

O vazio do epitáfio mundano e sujo levou o puro e deixou somente aquilo que menos nos interessa sempre – a dúvida capciosa: “ – Quem somos nós?”.

De antemão aplico a regra ditada nas primeiras linhas acima – Sou quem eu quero, faço o que quero e vou pra onde eu quiser e nada muda meus valores. Valoroso mesmo é o sentido que me coloca à frente desse teu bloco de notas pelo simples fato do “gostar” que não existe mais.


Mauri Zeügo



Nenhum comentário:

Postar um comentário