Que sou eu *Mauri Zeügo*

Meus caminhos intermináveis trouxeram-me até aqui, meus dias de alegria, tristeza, risos e cara feia. Sou tudo e nada. Feito um gato vadio que de telhado em telhado sempre encontra um cesto quente com um novelo de lã ou linha velha que nos remetem aos dias da infância. Tão saudoso à família sou eu. Nos últimos anos tenho tentado ser mais homem e menos animal, raciocinar sempre ao invés de seguir instintos que provocariam uma guerra. Sou humano enfim, tenho meus anseios e desejos e com esses, posso ser o que eu quiser. Cada pessoa tem seus defeitos e qualidades, porém, são os pequenos detalhes que nos tornam cada vez mais especiais e únicos. Sou Mauri Eurico Santos Zeügo e este é meu mundo. Seja Bem Vindo!

Mauri (14.01.1999)

sábado, 18 de dezembro de 2010

Saber Amar (14/04/07)

A solidão não é o acúmulo de crenças e interesses, mas sim, é o fato de se sentir emanado de um vazio, mesmo a dois. E isso, transforma nossas ilusões viáveis até o ponto de dizer te amo. A solidão engana e nos dá a própria cara à tapa, fazendo-nos escravos daquele amor platônico, que acaba sempre num quarto, sala ou varanda vazia, na companhia de uma taça de vinho, refrescos, chocolate, doces e muita, mas muita imaginação.
Mauri Zeügo

Um comentário:

  1. "Se tu sabes tanto sobre amor...ensina-me essa arte"

    ResponderExcluir