Que sou eu *Mauri Zeügo*

Meus caminhos intermináveis trouxeram-me até aqui, meus dias de alegria, tristeza, risos e cara feia. Sou tudo e nada. Feito um gato vadio que de telhado em telhado sempre encontra um cesto quente com um novelo de lã ou linha velha que nos remetem aos dias da infância. Tão saudoso à família sou eu. Nos últimos anos tenho tentado ser mais homem e menos animal, raciocinar sempre ao invés de seguir instintos que provocariam uma guerra. Sou humano enfim, tenho meus anseios e desejos e com esses, posso ser o que eu quiser. Cada pessoa tem seus defeitos e qualidades, porém, são os pequenos detalhes que nos tornam cada vez mais especiais e únicos. Sou Mauri Eurico Santos Zeügo e este é meu mundo. Seja Bem Vindo!

Mauri (14.01.1999)

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Um último adeus (14/06/03)

Nesse último momento posso falar da minha tristeza, posso falar das mágoas que me ofenderam por tanto tempo. Mas em especial delatarei algo que finaliza todas as circunstâncias:
Um laço familiar mal sucedido torna as pessoas em legionários do mal. Mentem, roubam e incestam, brigam e violentam as pessoas e seus familiares com palavras traiçoeiras e enganosas.
Sim, tenho em mente tudo o que delato por agora e também estou ciente de que assim como muitos, sou um dos mais afetados com essa droga de comportamento desse povo “indisciplinado”.
Eles que bebem e comem à custa daqueles que dão o seu sangue e vidas por um pedaço de pão e uma dose de dignidade. Muitos deles insistem ainda em jogar sujo e passar por cima das pessoas. Porém, a dívida maior será cobrada por Deus!
Podemos ser muito humilhados e ofendidos por pessoas que sempre nos tratam com interesse e falsidade, e entre elas, algumas que trazem do “lixo de fora” problemas que só fazem acumular dívidas, ansiedades e maus fluidos de gente inútil e enganadora.
Talvez a fria solidão nos dê tempo e espaço de sobra para que troquemos todo o nosso conhecimento e tristeza por um simples adeus.

Mauri Zeügo

Nenhum comentário:

Postar um comentário